Naturlink

Ficha do Tritão-palmado

Joana Teixeira Ribeiro
Imprimir
Texto A A A

Anfíbio cada vez mais raro em Portugal, o tritão-palmado vive em florestas, prados ou zonas agrícolas, sem nunca se afastar muito de corpos de água naturais ou artificiais. Distribui-se no Noroeste e Centro de Portugal, ocupando cerca de 3% do território nacional.

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS
O tritão-palmado ou tritão-de-patas-espalmadas, Triturus helveticus, é um urodelo (anfíbio com cauda) pequeno que geralmente não ultrapassa os 8 cm de comprimento total. A sua cabeça de contorno arredondado é ligeiramente aplanada, com três sulcos longitudinais na parte superior. Os olhos são relativamente pequenos e localizam-se lateralmente. Apresentam uma banda escura característica entre o orifício nasal e o olho que pode prolongar-se até ao pescoço. As glândulas parótidas são reduzidas. Possui corpo de secção redonda ou quadrangular, cauda muito achatada lateralmente, com crista reduzida ou ausente. Os seus membros são delgados, com quatro dedos nas patas anteriores e cinco nas posteriores. A pele é lisa durante a fase aquática, tornando-se rugosa na fase terrestre. A coloração dorsal é variável, havendo predominância de tons castanhos e esverdeados com algumas manchas negras que podem formar um padrão reticulado. O ventre é tipicamente amarelo claro. Na cauda pode apresentar duas séries de manchas escuras que formam linhas e acima da zona de inserção dos membros posteriores possuem uma pequena mancha clara.
As fêmeas são geralmente maiores do que os machos, têm o corpo cilíndrico, cabeça mais larga, cloaca menos volumosa e o padrão dorsal menos acentuado. Os machos são mais elegantes, com secção quadrangular, com o padrão dorsal acentuado. Durante o período de reprodução desenvolvem um característico longo filamento preto na parte terminal da cauda, uma membrana interdigital escura nas patas posteriores e uma crista caudal baixa.

As larvas recém-eclodidas não medem mais do que 1 cm e possuem uma coloração amarelada com duas bandas escuras no dorso. Posteriormente tornam-se acastanhadas ou acinzentadas com numerosas pontuações escuras. Atingem normalmente os 2,5-4 cm de comprimento total mas em locais onde alcançam a metamorfose durante o segundo ano de vida pode atingir os 5-6 cm de comprimento. Apresentam uma crista dorsocaudal bem desenvolvida, com início na zona de inserção das brânquias. À semelhança do tritão-de-ventre-laranja, a crista caudal decresce em altura de forma contínua e muito suave em direcção à sua extremidade, mas, ao contrário daquela espécie, termina numa ponta alongada. Apresentam dedos curtos e brânquias bem visíveis.

Comentários