Naturlink

Esvoaçantes Papagaios de Papel

Susana Ribeiro

Para ajudar os mais novos (e não só!) na construção de papagaios de papel, aqui ficam algumas pistas orientadoras para esta tarefa, nem sempre fácil. Mas não desespere, verá que a alegria do primeiro voo compensará todas as dificuldades.

Quando um papagaio de papel voa com estabilidade, adopta a forma de V face à pressão do vento. A escolha do material para a armação é importante para se obterem boas condições de voo. No caso dos papagaios planadores, como os papagaios tradicionais, é mais indicado utilizarem-se ripas de madeira. Um material especialmente resistente é o bambu. As canas de bambu a utilizar devem ter pelo menos dois centímetros de espessura. Começa-se com a divisão longitudinal da cana em quatro, com uma faca, exercendo uma ligeira pressão nos pontos dos nós. A seguir divide-se ainda em duas cada uma das quatro varas de bambu assim obtidas. Os papagaios tradicionais podem construir-se combinando a madeira com o bambu. Para a fasquia transversal utiliza-se bambu, para a longitudinal, madeira. 
 
O papel de seda, tradicionalmente usado, é um material leve, barato e muito apropriado para a construção de papagaios de papel. Pode colar-se com cola branca, mas apresenta um grande inconveniente – rompe-se facilmente. Pode-se utilizar também plástico de diferentes espessuras, que é um material mais forte; no entanto devem-se reforçar os cantos e os bordos com fita-cola transparente.


O método mais simples para unir as varas de armação é atá-las com fio em cruz. As ligações em T podem fazer-se utilizando um tubo e plástico flexível. O fio para o papagaio é outro acessório importante. Deve ter-se sobretudo atenção à sua resistência, sendo o mais apropriado o fio de nylon, embora também se possa utilizar fio norte. O fio de condução do papagaio liga-se ao fio de equilíbrio por meio de um mosquetão e nunca se devem atar os dois directamente.


Depois de construída a armação, passa-se à confecção do corpo do papagaio. Um papagaio colorido é sempre espectacular. Primeiro é preciso desenhar o modelo sobre o papel. No caso dos papagaios de papel de seda podem colar-se pedaços de várias cores, sobrepondo-os aproximadamente 1,5 cm. Uma vez o corpo pronto cobre-se a armação. Uma segunda possibilidade é utilizar plástico para o corpo do papagaio. Neste caso, pode-se aplicar, sobre o plástico estendido em cima da armação, pedaços de papel de várias cores, que devem sobrepor-se também 1,5 cm, cortando-se os bordos que sobressaem do plástico com uma tesoura. O plástico pode também ser decorado com marcadores de cor à prova de água.

 

 
 
Papagaio tradicional


Este papagaio, que goza de grande popularidade, é originário da Malásia. Deve a sua expansão às suas excelentes condições de voo, com vento fraco ou forte, e à simplicidade da sua estrutura e construção, mesmo para uma criança. Voa com ou sem cauda e permite a realização de muitos jogos, sobretudo o combate de papagaios.


Não é conveniente começar a preparar a armação antes de se ter reunido todo o material necessário. Este papagaio está preparado para vento fraco ou moderado.


Material:

- 2 ripas de pinho, arredondadas, com 1 m de comprimento, de 4´13 mm (ou ripas rectangulares de 5´10 mm)

- 2 folhas de papel de seda ou plástico
cola branca

- fio norte ou de nylon, de 1mm de diâmetro

- 1 argola de 12 mm de diâmetro

Instruções:

Começar por cortar duas varas de armação, cada uma com 1 m de comprimento. Em seguida arredondam-se as pontas com uma lima. Marcar então o ponto de cruzamento e os dois pontos de fixação do fio de equilíbrio do papagaio. Determinar o ponto médio da vara transversal e remarcar a vara longitudinal a 12 cm de uma das pontas (ponto de cruzamento).


Os dois pontos de fixação do fio de equilíbrio do papagaio são marcados na vara longitudinal, a 6 cm da cabeça e 16 cm da cauda. Cruzar as duas varas, longitudinal e transversal, no ponto de cruzamento e atá-las em cruz, com o fio bem esticado. Reforçar o nó com cola.

 
 
A seguir, com uma faca ou uma serra, fazem-se incisões de 2 mm de profundidade nas quatro pontas das varas. Estica-se a armação com um fio, que deve ter 4 m de comprimento. Prende-se o meio do fio à cabeça do papagaio e, partindo daí, leva-se o fio para a direita e para a esquerda da armação, encontrando-se as duas pontas na cauda do papagaio.


Atenção: quando se esticar o fio, a armação deve estar sempre em ângulo recto, o que pode ser sempre verificado com o esquadro.

Na cauda do papagaio prende-se, além disso, uma argola. De seguida estende-se no chão uma folha de papel de seda (ou plástico) suficientemente grande, sobre a qual se coloca a armação; convém colocar um peso sobre esta, para que não “fuja”.


Recorta-se então em redor da armação, deixando uma dobra de 2 cm para se revirar e colar. Aplica-se cola branca sobre a dobra, ou cola de papel sem dissolvente e a seguir revira-se a dobra sobre o fio da armação e exerce-se pressão, para que fique bem colada.


Pode então decorar-se o papagaio com uma cara divertida. Convém aplicar formas escuras sobre um fundo claro, para que ressaltem mais à distância.

Reforçar posteriormente os cantos da armação e os pontos de fixação do fio de equilíbrio do papagaio com pedaços de papel de seda de 5´5 cm. Para isso, fura-se o corpo do papagaio nesses pontos com uma tesoura. Equilibra-se o papagaio com um fio que deve medir cerca de 180 cm. Dá-se um nó neste fio a 84 cm de uma das pontas. Introduzem-se então as duas pontas do fio de equilíbrio nos buracos feitos com a tesoura e atam-se às varas da armação. É bastante prático atar o fio de equilíbrio com uma argola. Neste caso, prende-se uma pequena argola de 12 mm de diâmetro ao fim, em vez de dar simplesmente um nó. Para que o papagaio voe de maneira estável, tem de ser dobrado em V, o que se consegue esticando a vara transversal com um fio de 1 mm de espessura e atando uma ponta deste fio a uma das pontas da vara transversal. Na outra ponta da mesma vara faz-se uma incisão com uma faca ou uma serra. A flexão máxima da vara transversal deve ser de cerca de 13 cm. Se forem dados três nós, poderá fazer-se variar a flexão da vara transversal. Os nós prendem o esticador na incisão.
 
O papagaio estará agora pronto a voar. Se o vento for forte, poderá aplicar-se-lhe uma cauda. Para isso, arranjar um fio com cerca de 3 m de comprimento e atar-lhe alguns laços, a intervalos regulares. A cauda prende-se ao corpo do papagaio com um mosquetão.

Documentos Recomendados

Manual de Boas Práticas - Um guia para o acolhimento residencial das crianças e jovens

A aldeia saloia da Mata Pequena: Turismo de Identidade como motor de desenvolvimento rural

Comentários