Naturlink

À Descoberta da Rota da Água e da Pedra

Paulo Pereira (Texto) e João Cosme (Fotografia)
Imprimir
Texto A A A

A Rota da Água e da Pedra (RAP) é uma rota turística que atravessa o território de 7 municípios, e que se estende do Douro até ao Vouga, passando pelas serras da Freita, Arada e Montemuro. A Rota da Água e da Pedra convida a uma descoberta diferente destas serranias, já que se propõe desvendar o rico património natural e cultural da região, centrado nos rios e nas serras que a constituem.

O valor natural da RAP é confirmado pelas áreas de Rede Natura 2000, que aqui alcançam mais de 50% do território Montanhas Mágicas®. Este selo de qualidade é atribuído às regiões da Europa consideradas chave para a conservação da biodiversidade e, neste caso particular, o lobo-ibérico e os peixes migradores foram a razão que justificou a integração das serras da Freita, Arada e Montemuro e dos rios Paiva e Vouga nesta rede de conservação europeia. A acrescentar a estas espécies emblemáticas, podemos aqui encontrar espécies botânicas e de invertebrados, muito raras, que estarão ao alcance de uma visita à RAP na companhia de guias especializados.

O projeto Rota da Água e da Pedra é promovido pela ADRIMAG, entidade gestora da marca territorial Montanhas Mágicas®, e os seus conteúdos estão a ser desenvolvidos pela Macrómia, Lda. O cofinanciamento é assegurado pelos programas operacionais regionais do norte – ON.2 – e do centro - +Centro – no âmbito do PROVERE – Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos.

Onde e como

Arouca, Castelo de Paiva, Castro Daire, Cinfães, São Pedro do Sul, Sever do Vouga e Vale de Cambra são os 7 municípios onde se desenvolve a RAP, montra das riquezas naturais que abundam nas Montanhas Mágicas®. A Rota da Água e da Pedra constituirá, em breve, uma rede de visitação com mais de 100 painéis de interpretação, onde cada painel destaca um ponto de interesse central e um a três pontos de interesse complementares, visitáveis através de um percurso proposto, a fazer a pé, de carro, ou por meios menos convencionais. A organização desta rede é semelhante à das redes urbanas de metropolitano, com linhas de cor diferente a que correspondem eixos naturais de comunicação da biodiversidade, como por exemplo a linha do Caima, a linha do Vouga, a linha do Bestança ou a linha do Paiva, mas também a linha da Freita, a linha da Arada e a linha do Montemuro. A visitação dos pontos de interesse da Rota da Água e da Pedra será apoiada por um guia de campo com todas as propostas da rota, para se poder descobrir estes tesouros naturais e culturais com o auxílio deste pequeno livro.

 

Comentários