Espécies
« < | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | > »
5 de 15 páginas
  • Cuco, o parasita canoro

    Embora, em muitos locais, seja aguardado ansiosamente como um sinal da chegada da Primavera, o canto do Cuco não é um bom presságio para muitas aves. É que o Cuco é um parasita, que utiliza ninhos alheios para pôr os seus ovos. ver
  • Mocho-galego, o caçador do crepúsculo

    Entre as aves de presa nocturnas, o mocho-galego é a que pode ser mais facilmente observada, por possuir hábitos crepusculares e por vezes diurnos. Ao entardecer, é possível vê-lo pousado em fios, telhados e postes, um pouco por todo o país. ver
  • Ficha do Gaio

    À semelhança do Estorninho, o Gaio é considerado um mestre na arte de imitar os cantos e chamamentos de muitas espécies de aves florestais. Sendo uma ave em geral tímida, é mais frequente ouvi-la do que observá-la. ver
  • Ficha do Tritão-palmado

    Anfíbio cada vez mais raro em Portugal, o tritão-palmado vive em florestas, prados ou zonas agrícolas, sem nunca se afastar muito de corpos de água naturais ou artificiais. Distribui-se no Noroeste e Centro de Portugal, ocupando cerca de 3% do território nacional. ver
  • Ficha da Rela-meridional

    As relas-meridionais são pequenos e atraentes anfíbios sem cauda, que em Portugal ocorrem sobretudo na metade sul do território continental e também na Ilha da Madeira, onde foi introduzida pelo Homem. ver
  • Ficha do Bico-grossudo

    O Bico-grossudo é uma pequena ave, cuja característica mais notável está evidenciada no seu nome comum – o bico. De forma triangular, a sua força pode exceder os 50kg de pressão, razão pela qual consegue alimentar-se de duros frutos e sementes. ver
  • Ficha da Andorinha-do-mar-comum

    A Andorinha-do-mar-comum é uma espécie de ocorrência regular em Portugal. Nidifica em colónias, onde defende o seu ninho com gritos e ataques súbitos e velozes, voando a pique sobre o predador, podendo mesmo atacá-lo com fortes bicadas. ver
  • Ficha da Narceja

    A Narceja-comum é uma pequena ave limícola, com uma plumagem que lhe garante passar despercebida a olhos menos atentos. Mas os sons que produz nos voos nupciais crepusculares são inconfundíveis, parecendo autênticos “balidos caprinos”. ver
  • Ficha da Rôla-do-mar

    A Rola-do-mar é um visitante de Inverno do nosso país, que ocorre ao longo de toda a costa. Facilmente identificável pela sua plumagem peculiar, esta pequena limícola percorre longas distâncias entre as áreas de reprodução e de invernada. ver
  • Ficha do Boto

    Pequenos, geralmente tímidos e esquivos, sozinhos ou em pequenos grupos, parecendo quase sempre ocupados e sem tempo para brincadeiras... assim são os nossos botos, animais enigmáticos, sobre os quais ainda pouco se sabe. ver
« < | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | > »

Newsletter