O Futuro é Biológica e Espiritualmente Aberto

Maria Júdice Borralho
Imprimir
Texto A A A

 

Estou, nesta noite cálida, deliciadamente estendido sobre a relva,
De olhos postos no céu, e reparo, com alegria,
Que as dimensões do infinito não me perturbam.
(O infinito! essa incomensurável distância de meio metro
Que vai desde o meu cérebro aos dedos com que escrevo!

O que me perturba é que o todo possa caber na parte,
Que o tridimensional caiba no adimensional, e não o esgote
O que me perturba é que tudo caiba dentro de mim,
De mim, pobre de mim que sou parte do todo
......................................................................................................
se eu tivesse a memória da luz
que mal começa, na sua origem, logo se propaga,
sem que nenhuma se esquecesse de propagar;
os meus olhos reviveriam os dinossáurios que caminharam sobre a Terra,
os meus ouvidos lembrar-se-iam dos rugidos dos oceanos...
.......................................................................................................
guardei a memória do infinito,
daquele tempo sem tempo, origem de todos os tempos,
em que assisti disperso, fragmentado, pulverizado,
à formação do Universo.
Tudo se passou defronte de partes mim
E aqui estou eu feito carne para o demostrar,
Porque os átomos da minha carne...
Já cá estavam.

Gedeão e Reeves estão em harmonia. A Natureza é a família do Homem. Será esta a grande mensagem da Ciência dos nossos tempos?

Em cada Primavera rebentos minúsculos irrompem dos troncos sem folhas de árvores e arbustos. O processo evolutivo também teve a sua Primavera quando o Homem, qual rebento, apareceu. E é por isso que o ser humano

O porvir ampliará os conhecimentos, responderá a questões que hoje ainda não têm resposta mas, colocará outras. O futuro está por revelar. Por ora tudo parece saído do cinzel de exímio escultor e do pincel de fantástico pintor.

2. Onde moram os deuses

Os deuses não morreram: O que morreu
foi a nossa visão deles. Não se foram:
deixámos de os ver. Ou fechámos os
olhos, ou entre eles e nós uma névoa
qualquer se entremeteu. Subsistem,
vivem como viveram, com a mesma
divindade e a mesma calma.
Ricardo Reis

Comentários

Newsletter