Visita de William Beckford a Sintra

Maria Júdice Borralho
Imprimir
Texto A A A

O slogan Amar a Natureza para Respeitá-la está ainda pouco batido. Uma visita de William Beckford, escritor romântico do séc. XVIII, a Sintra ilustra um momento de inspiração poética e de enlevo estético, que vale a pena transmitir.

1. Ampliando o significado das palavras "prosa" e "poesia" cremos que a vida é urdida por este dualismo. Ora prevalecendo a "prosa", ora dominando a "poesia", ou ainda fundidas numa justa proporção, ambas entretecem o ser do Homem. Infelizmente, a primazia dada ao crescimento da tecnocracia, relega tantas vezes para segundo plano a dimensão poética da vida a que a festa, o mito, o amor, o êxtase dão forma. "É agindo sem descanso que o homem manifesta a sua grandeza", afirma o FAUSTO de Goethe.

As consequências negativas que daí advêm são de vária ordem e reflectem-se em vários sectores da existência, nomeadamente no universo das relações entre ambiente natural e sociedade humana. Para eliminá-las proliferam as iniciativas e multiplicam-se as regras, mas descura-se uma circunstância, MOSTRAR A NATUREZA. Tal MOSTRA, desenvolveria hábitos de observação, atitudes de admiração e respeito, e desencojaria a agressão.

O "slogan" AMAR A NATUREZA PARA RESPEITÀ-LA está pouco batido. Muitas das obras de poetas, escritores e pintores de paisagens, "ensinariam" a descobrir a beleza e magia da Natureza e a captar-lhe o espírito, se fossem analisadas com esse propósito. 
 
2. A descrição de um certo passeio realizado pelo escritor inglês William Beckford no dia 19 de Setembro de 1787, merece ser recordada, mesmo tendo em conta, as diferenças existentes entre aquela pretérita época histórica e a nossa. Muitos motivos justificariam a evocação do texto, mas só dois são importantes para esta reflexão. Em primeiro lugar porque o espaço percorrido é um lugar de excelência, alvo de cobiças e, por isso mesmo, exposto a perigos de vária ordem. Depois, porque constitui um documento de raro valor a vários níveis, nomeadamente no capítulo do relacionamento HOMEM / NATUREZA.

 

Comentários

Newsletter