Ficha do Sapo-comum

Rui Braz e Maria João Cruz
Imprimir
Texto A A A

 


REPRODUÇÃO

Durante a época de reprodução o macho abraça a fêmea pelas costas (amplexo). A fêmea deposita entre 2000 a 7000 ovos e o macho lança o esperma que os fecundará (fecundação externa). Os ovos dispõem-se em cordões gelatinosos com 2 a 4 filas alternadas. Como local de postura escolhem charcos extensos relativamente profundos, braços de rios ou zonas pantanosas. A eclosão dos ovos dá-se entre 5 a 15 dias após a postura e a fase larvar dura entre 2 e 4 meses.

 

MOVIMENTOS

Ano após ano, estes sapos mostram preferência pelos mesmos locais de postura, chegando mesmo a percorrer vários quilómetros para chegar a esses locais.


ACTIVIDADE

Embora sejam geralmente crepusculares e nocturnos, também se observam durante o dia, sobretudo quando o tempo está húmido e durante a época de reprodução. Os recém- metamorfoseados são mais activos durante o dia. Em muitas regiões estes sapos permanecem activos durante todo o inverno. Em zonas frias podem apresentar um período de repouso invernal que varia consoante o local e o ano. No Verão permanecem activos até temperaturas de 40/42º C.

CURIOSIDADES

São animais muito úteis na agricultura por comerem insectos, vermes e caracóis. No entanto, são considerados repelentes e muitas vezes são perseguidos e espetados em canas, servindo como espantalhos. Crê-se que os outros sapos ficam com medo e, portanto, se afastam.


LOCAIS FAVORÁVEIS DE OBSERVAÇÃO

Podem observar-se durante a noite em caminhos, estradas ou perto de massas de água. As observações são mais frequentes após ter chovido ou em dias em que o ar se encontre muito húmido. Os girinos podem observar-se em troços de ribeiros ou em charcos.

BIBLIOGRAFIA

Stebbins, R.C. e Cohen, N.W. (1995). A Natural History of Amphibians, Princeton, New Jersey:Princeton University Press.

Rosa, H.D. e Crespo, E.G. (1998). La conservación de los anfibios y reptiles en Portugal. In: Distribución y biogeografia de los anfibios y reptiles en España y Portugal, edited by Pleguezuelos, J.M.Granada:Monográfica Tierras del Sur, Univ. de Granada, Asociación Herpetológica Española,p. 517-529.

Barbadillo, L.J. (1987). La guia de INCAFO de los anfibios y reptiles de la Peninsula Iberica, Islas Baleares y Canarias, Madrid:INCAFO.

Arnold, E. N. e Burton (1987). Guia de campo de los reptiles y anfibios de Espanha y de Europa. OMEGA, Barcelona.

Gittins, S.P. (1987). The diet of the common toad (Bufo bufo) around a pond in Mid-Wales. Amphibia-Reptilia 8:13-17.

Hemelaar, A. (1988). Age, growth and other population characteristics of Bufo bufo from different latitudes and altitudes. J.Herpetol. 22(4):369-388.

Jorgensen, C.B. (1988). The role of endogenous factors in seasonal maturation in temperate zone female toads, Bufo bufo. J.Herpetol. 22(3):295-300.

 

Documentos Recomendados

Relação entre a composição e a estrutura da paisagem e a Herpetofauna em Portugal
 
Gestão sustentável de sistemas lagunares: a Lagoa de Óbidos





Comentários

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Newsletter