Nuvens, quando o invisível se revela

Alexandre Vaz
Imprimir
Texto A A A

Quando a humidade atmosférica se revela criam-se as nuvens, de suprema importância para a vida na Terra. Qualquer que seja a perspectiva com que as encaremos, uma visita ao mundo das nuvens é, quase por definição, apaixonante.

Nem mesmo nos desertos mais áridos, o ar é desprovido de humidade. Quando esta se torna visível, chamamos-lhe nuvem. As nuvens são simultaneamente causa e efeito de uma série de fenómenos atmosféricos e nessa medida, têm um forte impacto nas nossas vidas. Elas dizem-nos que roupa devemos vestir, se devemos usar óculos de sol e mesmo se devemos ficar em casa ou ir à rua.

A humidade existente no ar provém em cerca de 90% da evaporação dos oceanos. Sempre que uma massa de ar carregada de humidade arrefece, a água até ali no estado gasoso condensa em minúsculas gutículas ou cristais de gelo e torna-se visível.
 
Os fenómenos que estão na origem do aparecimento de nuvens são de origem diversa e podem actuar separadamente ou em conjunto, dando origem a nuvens muito diferentes umas das outras. De uma forma geral, a temperatura do ar vai diminuindo à medida que a altitude vai aumentando. Daí que sempre que uma massa de ar é, por qualquer motivo, impelida para cima, entra em contacto com um meio mais frio, levando a que a água em si contida se condense e forme nuvens. Existem várias razões para que o ar se desloque verticalmente. A convecção, resulta do aparecimento de correntes ascendentes, provocadas pelo aquecimento da superfície da Terra, que impelem o ar para cima e que podem originar nuvens. As nuvens frontais formam-se sempre que uma massa de ar quente se encontra com uma massa de ar frio: a primeira é empurrada no sentido ascendente e condensa, formando nuvens densas e até tempestades. Existem ainda, as nuvens orográficas, que como o nome indica estão intimamente ligadas ao relevo. Quando o vento, que não é mais do que ar em movimento, encontra no seu caminho montanhas, segue o declive ascendente até eventualmente atingir o ponto de condensação.


Fotografias de José Romão

O nevoeiro é o caso particular de uma nuvem que se forma ao nível do solo e que por isso não está dependente de qualquer tipo de corrente ascendente. O nevoeiro forma-se quando o ar húmido entra em contacto com um solo que perdeu temperatura durante a noite ou, com uma massa de ar mais frio. Por esta razão, o nevoeiro é mais frequente em noites claras em que a superfície da terra perde mais calor, sendo provável que no dia seguinte o Sol dissipe rapidamente o nevoeiro e se constate o ditado português "manhã de nevoeiro, dia soalheiro". Como o ar frio é mais denso, também acontece que ao se precipitar em vales ou outras depressões, entra em contacto com ar húmido que condensa e dá origem a um nevoeiro ou bruma característicos.

Comentários

Newsletter