Gestão integrada de resíduos sólidos em ilhas

Isabel Abreu
Imprimir
Texto A A A

As ilhas reúnem um conjunto de condições que as tornam ambientalmente frágeis. As Nações Unidas reconhecem-nas como sistemas a que se deve dedicar especial atenção, apontando a gestão dos resíduos sólidos como uma das áreas prioritárias de acção.

Este artigo procura sintetizar algumas ideias desenvolvidas no âmbito de uma tese de mestrado (ver Referências) com o mesmo título, onde se desenvolveu uma metodologia de avaliação de diferentes opções para a gestão dos resíduos sólidos produzidos em ilhas, nas quais a produção de energia a partir dos resíduos tem um papel importante. As estratégias de gestão de resíduos sólidos desenvolvidas no trabalho tiveram por base a importância da produção de energia como forma de diminuir a dependência energética das ilhas e ao mesmo tempo dar um destino adequado aos resíduos produzidos.


Fragilidades das ilhas

Muitas ilhas têm tido dificuldade em assegurar um desenvolvimento sustentável por razões inerentes às suas características económicas, sociais e ecológicas.

Do ponto de vista económico, os problemas que as ilhas enfrentam estão associados à sua pequena dimensão e ao limitado leque de recursos naturais. Uma vez que a dimensão dificulta a exploração de economias de escala e o número de actividades produtivas é geralmente reduzido, as ilhas têm de recorrer à importação de produtos, tecnologias e energia. Devido à sua posição geográfica, os custos de transporte são elevados, não só pelas vias a que se recorre (mar e ar), mas pelas reduzidas quantidades envolvidas para satisfazer um mercado de pequenas dimensões.

Do ponto de vista ambiental, as ilhas sofrem uma grande exploração dos recursos naturais, muitas vezes pouco disponíveis, como é o caso da água potável. Apesar de as ilhas contribuírem pouco para a emissão de gases com efeito de estufa, elas são dos territórios mais susceptíveis aos efeitos das alterações climáticas tais como secas, chuvas intensas, aquecimento, e subida do nível do mar.

A gestão de resíduos em ilhas

Muitas ilhas deparam-se com o problema de como encaminhar correctamente os resíduos produzidos, verificando-se a sua deposição em aterros contaminando os terrenos e dos recursos hídricos. Se por um lado a sua pequena dimensão e consequente dificuldade de explorar economias de escala condicionam o desenvolvimento de infra-estruturas para a gestão dos resíduos, por outro lado o transporte dos resíduos para o continente representa também um custo elevado.

A valorização dos resíduos

Uma vez que os produtos são geralmente importados, as actividades de reutilização de resíduos, como por exemplo, os resíduos de embalagem, não são muito frequentes uma vez que isso implicaria que as embalagens utilizadas fossem enviadas para o local onde sofreriam o processo de recuperação, tornando esta opção economicamente inviável. Outros tipos de valorização de resíduos, como por exemplo, a reciclagem, representa actualmente em muitas ilhas uma actividade pouco atractiva do ponto de vista económico, não só pelo investimento que representa, mas também pela falta de mercado para os produtos reciclados.

Um dos principais problemas associados à reciclagem de resíduos prende-se com a baixa quantidade e qualidade dos materiais recolhidos, pelo que se torna importante alargar as redes de recolha de materiais e implementar programas de educação dos consumidores, pois se eles não participarem na separação dos resíduos os programas de reciclagem não serão economicamente viáveis.

Comentários

Newsletter