Pode a Agricultura Biológica Alimentar o Mundo?

Angeles Parra, Secretária-Geral da VIDA SANA
Imprimir
Texto A A A


Novas ameaças que impedem o seu desenvolvimento
 
O movimento biológico, em conjunto com os ecologistas e outros grupos cívicos, encara hoje mais um grave problema: a manipulação genética, que multiplica os problemas dos pesticidas já existentes e nos leva para uma nova dimensão de risco global. Na sua propaganda, assistimos às mesmas promessas não cumpridas de acabar com a fome no mundo quando a agroquímica foi introduzida em larga escala.


Por várias razões, devemos rejeitar a manipulação genética: é perigosa e absolutamente desnecessária para a produção e elaboração de alimentos, e além disso não é económica (o que não significa que as grandes multinacionais não aufiram daí grandes benefícios).Tem ainda menos sentido no caso da produção biológica e, sem grandes complicações, as multinacionais tentaram a autorização desta tecnologia nos Estados Unidos pelas normas biológicas.


Outra manipulação é a promoção de tipos de agricultura "menos agressiva", como a Protecção Integrada ou "agriculturas sustentáveis", que confundem o consumidor com denominações que não se referem a características objectivas e, ao mesmo tempo, apresentam falsas alternativas para continuar a utilizar (segundo dizem, racionalmente) pesticidas, adubos e todo o tipo de produtos de síntese, de manipulação genética, etc.


A Agricultura Biológica ganha terreno


Na Alemanha, onde estão sediadas algumas das maiores multinacionais da agroquímica, e com as pressões que isso implica, existem actualmente mais de 8.000 agricultores biológicos. No estado de Mecklemburg-Vorpomern, 10% da terra já se cultiva em Agricultura Biológica. Outros governos regionais propuseram-se alcançar também esses 10%, a curto prazo. Não obstante, com apenas 2% do total em produção biológica, a Alemanha perdeu os lugares da frente que manteve durante anos.


Alguns países vizinhos conheceram um verdadeiro boom. Na Suíça, 7% do total da agricultura é biológica e em algumas zonas, como Graubünden, a maior região do país, alcança-se os 30%.


A Áustria tem mais de 20.000 agricultores biológicos, cerca de 10% do total. A Suécia e a Finlândia ultrapassaram as percentagens da Suíça e aproximam-se agora da Áustria. E as últimas cifras vindas de Itália indicam 18.000 agricultores biológicos em fase de conversão.


A Espanha passou de 4.235 ha em 1991 para 152.100 em 1997. Em apenas 7 anos, a superfície dedicada às culturas biológicas aumentou 35 vezes.


Também nos países do Sul está a haver um importante crescimento. Um projecto de produção biológica de algodão que começou há três anos, no Uganda, com apenas duzentos agricultores, inclui hoje mais de 7.000. No México, 10.000 camponeses produzem café biológico para exportação, assim como outros produtos biológicos para consumo local. A cooperativa mexicana UCIRI coordena cerca de 7.000 agricultores em mais de 30 povoados, o que significa a conversão de toda a zona à Agricultura Biológica.

Comentários

Newsletter