ETAPs e Piscinas Biológicas: o mesmo conceito mas aplicações tão diferentes

Maria João Carvalho
Imprimir
Texto A A A

 

As plantas desempenham um papel eficaz no tratamento das águas residuais, pelo facto destas disporem de uma capacidade de criar em torno das suas raízes e rizomas um meio rico em oxigénio, onde se geram condições de oxidação que estimulam a decomposição aeróbia da matéria orgânica e o crescimento das bactérias nitrificantes.

O tratamento de efluentes líquidos tendo como base os leitos de macrófitas constitui uma tecnologia fiável, robusta, de baixos custos energéticos, eficiente e estética, capaz de constituir uma alternativa aos sistemas convencionais no tratamento de efluentes. Esta tecnologia pode ser utilizada quer em efluentes domésticos, quer em outro tipo de efluentes como industriais, agro-pecuários e águas lixiviantes.

Tanto as ETAPs como as Piscinas Biológicas recriam de forma optimizada a estrutura e dinâmica funcional de uma zona húmida natural, ou seja, recriam sistemas lagunares.

O tratamento da água por sistemas de macrófitas é feito de diversas formas: por absorção de substâncias pelas plantas, pelo fornecimento de condições propícias ao desenvolvimento de microrganismos e, indirectamente, por interacção com partículas do solo que é o substrato das plantas.

- Captação de nutrientes e compostos químicos específicos – Além de elementos como o fósforo, o azoto ou o potássio, que constituem nutrientes para as plantas, outros elementos e compostos químicos são incorporados ou acumulados por algumas macrófitas, que são, por isso, utilizadas na depuração de efluentes de indústrias específicas.

- Libertação de oxigénio pelas raízes – A libertação de oxigénio pelas raízes regista-se nas plantas que possuem parte aérea e parte aquática, tais como as macrófitas emergentes, as fixas de folhas flutuantes e algumas flutuantes; estas plantas possuem aerênquima que permite o desenvolvimento de plantas em terrenos encharcados, sem sofrerem asfixia radicular. A libertação do oxigénio faz-se essencialmente através da ponta das raízes. As espécies com aerênquima possuem maiores concentrações internas de oxigénio e, consequentemente, um potencial maior para libertar uma maior quantidade desta molécula. O oxigénio libertado pelas raízes possibilita o desenvolvimento de microrganismos em aerobiose na rizosfera e promove a oxidação de substâncias químicas.

- Filtração e decantação – A trama formada pelas macrófitas, num sistema com águas paradas ou com fluxo lento, favorece a eliminação de sólidos em suspensão pelos processos de filtração e decantação.

- Suporte de microrganismos e de invertebrados – As macrófitas servem de suporte a uma infinidade de organismos que eliminam microrganismos patogênicos e que, pelos processos de fermentação e de respiração, degradam a matéria orgânica.

Comentários

Newsletter