Ficha do Sapo-comum

Rui Braz e Maria João Cruz
Imprimir
Texto A A A

Grande, gordo, feio e útil, o Sapo é uma espécie comum que se alimenta de invertebrados e que pode dar uma ajuda no quintal ou no jardim. Distribuindo-se por todo o País, já era bem conhecido antes da sua versão internet ter aparecido.

 

 

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

O sapo-comum (Bufo bufo) é um anuro (anfíbio sem cauda) de grandes dimensões que pode atingir 21 cm de comprimento. Possui olhos laterais e proeminentes, a pupila é horizontal e a íris é geralmente avermelhada. As glândulas paratóides - 2 glândulas ovóides situadas na parte posterior da cabeça - são proeminentes e estão mais próximas anteriormente do que posteriormente. Os membros são robustos, os anteriores têm 4 dedos curtos e grossos e os posteriores possuem 5 dedos com membranas interdigitais até metade do seu comprimento. A pele é rugosa com verrugas salientes no dorso. A sua cor varia muito, podendo ser castanha, amarelada ou quase negra. Ventralmente são esbranquiçados ou amarelados. Os machos são mais pequenos que as fêmeas e, nalgumas populações, apresentam membros posteriores mais compridos. Durante a época de reprodução apresentam rugosidades escuras nos 3 dedos mais internos da mão. Os girinos são muito pequenos, atingindo no máximo 3,5 cm de comprimento, são de cor negra e as suas membranas caudais são translúcidas com ou sem pontos escuros. Os olhos são dorsais.


DISTRIBUIÇÃO E ABUNDÂNCIA

Ocupa toda a Eurásia, excepto a zona mais setentrional, e o norte de África.
Em Portugal encontra-se de norte a sul, sendo geralmente bastante abundante. Nas zonas mais áridas do sul e sudeste é mais raro.

ESTATUTO DE CONSERVAÇÃO

Esta espécie faz parte do anexo III da Convenção de Berna. Em Portugal é considerada não ameaçada (NT).


FACTORES DE AMEAÇA

Antigamente esta espécie era muito abundante, no entanto, a alteração dos locais de reprodução e dos seus habitats está a provocar um declínio generalizado em grande parte da Península Ibérica. A perseguição pelo Homem é outro factor a ter em conta. Além disto, todos os anos morrem muitos sapos nas estradas, vítimas de atropelamento, principalmente na época de reprodução, altura em que os indivíduos necessitam de se deslocar até zonas com água.


HABITAT

Ocupa uma grande variedade de biótopos, em zonas húmidas ou secas, abertas ou com vegetação densa, em meios naturais, cultivados e também nas imediações de áreas habitadas. Os adultos têm hábitos terrestres excepto durante a época de reprodução. Pode encontrar-se tanto ao nível do mar como acima dos 2000 metros.

INIMIGOS NATURAIS

Entre os seus inimigos naturais incluem-se cobras de água, víboras e várias aves de rapina (milhafres, tartaranhões, águias, mochos e corujas). A lontra adopta uma estratégia de predação muito particular, virando os sapos do avesso de modo a não entrar em contacto com a sua pele que contém toxinas.

Algumas populações são afectadas por uma mosca parasita cujas larvas se introduzem nas narinas dos indivíduos para se alimentarem dos seus tecidos, acabando por lhes provocar a morte.

 


REPRODUÇÃO

Durante a época de reprodução o macho abraça a fêmea pelas costas (amplexo). A fêmea deposita entre 2000 a 7000 ovos e o macho lança o esperma que os fecundará (fecundação externa). Os ovos dispõem-se em cordões gelatinosos com 2 a 4 filas alternadas. Como local de postura escolhem charcos extensos relativamente profundos, braços de rios ou zonas pantanosas. A eclosão dos ovos dá-se entre 5 a 15 dias após a postura e a fase larvar dura entre 2 e 4 meses.

 

MOVIMENTOS

Ano após ano, estes sapos mostram preferência pelos mesmos locais de postura, chegando mesmo a percorrer vários quilómetros para chegar a esses locais.


ACTIVIDADE

Embora sejam geralmente crepusculares e nocturnos, também se observam durante o dia, sobretudo quando o tempo está húmido e durante a época de reprodução. Os recém- metamorfoseados são mais activos durante o dia. Em muitas regiões estes sapos permanecem activos durante todo o inverno. Em zonas frias podem apresentar um período de repouso invernal que varia consoante o local e o ano. No Verão permanecem activos até temperaturas de 40/42º C.

CURIOSIDADES

São animais muito úteis na agricultura por comerem insectos, vermes e caracóis. No entanto, são considerados repelentes e muitas vezes são perseguidos e espetados em canas, servindo como espantalhos. Crê-se que os outros sapos ficam com medo e, portanto, se afastam.


LOCAIS FAVORÁVEIS DE OBSERVAÇÃO

Podem observar-se durante a noite em caminhos, estradas ou perto de massas de água. As observações são mais frequentes após ter chovido ou em dias em que o ar se encontre muito húmido. Os girinos podem observar-se em troços de ribeiros ou em charcos.

BIBLIOGRAFIA

Stebbins, R.C. e Cohen, N.W. (1995). A Natural History of Amphibians, Princeton, New Jersey:Princeton University Press.

Rosa, H.D. e Crespo, E.G. (1998). La conservación de los anfibios y reptiles en Portugal. In: Distribución y biogeografia de los anfibios y reptiles en España y Portugal, edited by Pleguezuelos, J.M.Granada:Monográfica Tierras del Sur, Univ. de Granada, Asociación Herpetológica Española,p. 517-529.

Barbadillo, L.J. (1987). La guia de INCAFO de los anfibios y reptiles de la Peninsula Iberica, Islas Baleares y Canarias, Madrid:INCAFO.

Arnold, E. N. e Burton (1987). Guia de campo de los reptiles y anfibios de Espanha y de Europa. OMEGA, Barcelona.

Gittins, S.P. (1987). The diet of the common toad (Bufo bufo) around a pond in Mid-Wales. Amphibia-Reptilia 8:13-17.

Hemelaar, A. (1988). Age, growth and other population characteristics of Bufo bufo from different latitudes and altitudes. J.Herpetol. 22(4):369-388.

Jorgensen, C.B. (1988). The role of endogenous factors in seasonal maturation in temperate zone female toads, Bufo bufo. J.Herpetol. 22(3):295-300.

 

Documentos Recomendados

Relação entre a composição e a estrutura da paisagem e a Herpetofauna em Portugal
 
Gestão sustentável de sistemas lagunares: a Lagoa de Óbidos




Comentários

Newsletter