Zooplâncton Estuarino

Susana Ribeiro
Imprimir
Texto A A A



Normalmente verifica-se um sincronismo da reprodução com os máximos de produção fito e zooplanctónica. No Atlântico, anualmente ocorrem dois picos de abundância, nos períodos primaveril e outonal. Nos estuários, verifica-se um máximo no final do período primaveril. A produção primária e secundária nos estuários é condicionada pela turbidez, transporte da maré e sem dúvida pela concentração de nutrientes.


Caranguejo

Em latitudes polares, as migrações são predominantemente sazonais. Durante o verão polar, os organismos permanecem à superfície e no longo Inverno polar voltam para zonas de maior profundidade.

Em termos da distribuição espacial, podem-se reconhecer dois tipos, a distribuição nerítica e oceânica. O plâncton nerítico é constituído fundamentalmente por formas larvares de organismos bentónicos (meroplanctónicos). Contrariamente, no plâncton oceânico, aparecem formas de organismos nectónicos. Determinadas espécies podem ser indicadoras de águas costeiras, oceânicas ou intermédias, como é o caso do género Sagitta dos Chaetognatha. Esta distribuição está ainda relacionada com diversos factores como a salinidade, temperatura, oxigénio dissolvido e nutrientes.

Documentos Recomendados

Variação espacial e dinâmica da biomassa fitoplanctônica do estuário do rio Massangana_Baía de Suape

Managing Freshwater Inflows to Estuaries - A Methods Guide

Comentários

Newsletter