Monitorização de borboletas diurnas e a gestão sustentável dos montados de sobro - um estudo na Serra do Caldeirão

Maria João Verdasca e Ana Sofia Leitão - TAGIS – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal
Imprimir
Texto A A A

Devido à sua sensibilidade às alterações do meio, as borboletas são excelentes indicadores da qualidade ambiental. Na Serra do Caldeirão a sua monitorização é uma das componentes de um projecto de optimização da gestão dos povoamentos suberícolas.

As borboletas desempenham um papel importante nos ecossistemas terrestres, não só por serem elementos vitais na cadeia trófica, mas também por darem um inestimável contributo para a polinização das plantas. Como têm vida curta, e portanto muitas gerações em pouco tempo, permitem a rápida acumulação de informações taxonómicas, ecológicas e evolutivas, tornando estes insectos ideais para o estudo da dinâmica de populações. Certas espécies dependem exclusivamente de uma planta, tornando-as muito sensíveis às alterações do meio, sendo por isso consideradas espécies indicadoras da qualidade ambiental e da integridade das paisagens naturais. Este facto faz com que os estudos de monitorização dos lepidópteros numa determinada área sejam muitas vezes utilizados como ferramentas indispensáveis na biologia da conservação.


Acobreada Lycaena phlaeas

A monitorização da comunidade de borboletas realizada no âmbito do projecto “Gestão da vegetação em paisagens suberícolas da Serra do Caldeirão para a redução de riscos de incêndio, valorização e conservação da biodiversidade”, pode contribuir assim para o planeamento futuro das prioridades em conservação a implementar nesta área. 
 

Comentários

Newsletter