Considerações sobre Bem Estar Animal. I. Conceitos e Discussão

Sara Albuquerque*
Imprimir
Texto A A A

Segundo a experiência subjectiva, bem estar existe quando um animal se sente bem. Dada a dificuldade em medir estados afectivos directamente, têm sido propostas várias medidas comportamentais indirectas, como a análise da preferência animal em várias situações, e a sua motivação para ter acesso a recursos, ou executar comportamentos particulares - Estudos sobre comportamentos anormais (estereotipias), comunicação animal (vocalizações) , entre outros. Nesta perspectiva, o mais importante é o funcionamento do organismo, constituindo questões de bem estar animal, as situações de doença, dor, mal nutrição e tudo o que comprometa o seu bem estar fisico. 

Assim, um animal manifesta o seu bem estar, ao crescer e desenvolver-se normalmente, reproduzir-se, manter as funções fisiológicas e comportamentais normais, ser longevo e manter-se em boa forma física. Esta visão postula que o bem estar animal é atingido se os animais se encontrarem em locais naturais onde possam comportar-se de forma natural, ou seja, onde possam realizar os comportamentos típicos da espécie. Para testar esta perspectiva, muitos estudos comparam o comportamento dos animais em estado selvagem com o de animais em cativeiro. Outros tentam recriar as caracteristicas do meio selvagem, para que os animais usem todo o seu repertório comportamental. Esta perspectiva tem limitações associadas à mutabilidade do comportamento animal, muitas vezes como forma de adaptação ao ambiente que o rodeia.

Os métodos e parâmetros de avaliação do bem estar animal devem ser pouco subjectivos e o mais consensuais possível. Estes são divididos em dois grandes grupos, fisiológicos e comportamentais. Em termos fisiológicos, são comumente avaliados sinais de stress como concentrações de endorfinas, corticosteróides, batimento cardiaco, entre outros indicadores. A nível comportamental, as medições são muitas vezes feitas às situações e não ao próprio animal. As preferências e o esforço empregue pelo animal em realizar determinada tarefa dão indicação de quanto o animal necessita de determinado recurso, e de como a sua ausência poderá afectar o seu bem estar.

A ciência do bem estar animal traduz-se fundamentalmente na procura do melhoramento da vida dos animais não-humanos, que nos compete cuidar!


Bibliografia

Benson, G.J and Rolin, B.E. (2004) The Well-Being of Farm Animals: Challenges and Solutions. Blckwell Publishing

Clough, C. and Kew, B. (1993) Animal Welfare Handbook. Fourth Estate, London

Jensen, P. (2002) The Ethology of Domestic Animals: An Introductory Text. CABI Publishing

Petrinovich, L. (1999) Darwinian Domnion: Animal Welfare and Human Interests. Massachusetts Institute of Technology

Rollin, B.E. (2006) Animal Rights and Human Morality. 3rd Edition. Prometheus Books


*Sara Albuquerque sara.f.albuquerque@gmail.com é Especialista em Comportamento e Bem Estar Animal pela Universidade de Liverpool.

Leituras Adicionais

Pecuária Biológica, uma alternativa viável

Domesticação de animais no Mediterrâneo

As raças autóctones

Documentos Recomendados

Resposta de suínos em crescimento mantidos a diferentes temperaturas

A Caça através do tempo em Portugal – Das origens ao final do século XX

Comentários

Newsletter