O Papa-ratos, uma garça rara em Portugal

Helena Barbosa e Florbela Elias
Imprimir
Texto A A A


O futuro desta espécie depende da manutenção e gestão dos habitats que usam ao longo do seu ciclo anual (locais de reprodução, de invernação e locais de passagem durante a migração), quer sejam naturais ou artificiais, e da criação e recuperação de zonas que possam vir a albergar colónias mistas de garças.

Bibliografia

Anastácio, P. e Amaro, P. (1992). Caracterização das populações de Ardeídeos do Paúl da Quinta do Taipal. Airo 3 (1): 13-17.

Candeias, D.R. (1981). As colónias de garças em Portugal. Serviços de Estudos do Ambiente. CEMPA. Lisboa.

Cardoso, A.C. (1994). Uso do habitat e sucesso alimentar dos Ardeídeos do Paúl do Boquilobo. Relatório de estágio de licenciatura em Recursos Faunísticos e Ambiente (DZA). FCUL. Lisboa.

De Juana, E. (1992). Algunas prioridades en la conservacion de aves en España. Ardeola 39 (2): 73-83.

Dias, P.C. (1989). Os Ardeídeos em Portugal. SNPRCN. Lisboa.

Farinha, J.C. e Trindade, A. (1994). Contribuição para o Inventário e Caracterização de Zonas Húmidas em Portugal Continental. ICN. Lisboa.

González-Martín, M.e Ruíz, X. (1994). La Garcilla Cangrejera. La Garcilla 90: 26-29.

Portela, L.I. (1989). Estatuto da Garça Ardeola ralloides em Portugal. In: Associação de Defesa do Paúl de Tornada (eds.), 1º Encontro Ornitológico do Paúl de Tornada, Caldas da Rainha: pp. 12-14.

Rufino, R. (1989). Atlas das aves que nidificam em Portugal Continental. SNPRCN. CEMPA. Lisboa.

Voisin, C. (1991). The herons of Europe. T & A. D. Payser Ltd. London.

Comentários

Newsletter