Alterações da paisagem de uma Região do Minho no Período 1958-1995 e seus Impactos na Diversidade de Aves: A Importância do Fogo

Francisco Moreira, Centro de Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves-ISA
Imprimir
Texto A A A

A evolução da paisagem de uma zona do Minho foi avaliada para o período 1953-1995, tendo-se verificado um aumento da diversidade da paisagem que não foi, curiosamente, acompanhada de um incremento da diversidade de aves, veja porquê.

INTRODUÇÃO

Os fogos florestais têm tido um impacto crescente nas paisagens da Península Ibérica. Por este motivo, torna-se importante compreender de que forma as alterações ocorridas nas paisagens contribuíram para o aumento da frequência de fogos, tal como compreender de que forma os incêndios contribuíram eles próprios para alterações subsequentes na paisagem. E que impactos tiveram estas alterações na biodiversidade? Um projecto europeu designado “LUCIFER – Land use change interactions with fire in Mediterranean landscapes”, pretendeu aprofundar as relações entre paisagens, fogos e biodiversidade em várias áreas de estudo localizadas na região Mediterrânica (desde Portugal até à Grécia).

A região noroeste da Península ibérica possui duas características que a tornam particularmente interessante para este tipo de estudos. Em primeiro lugar, possui a mais elevada frequência de fogos florestais (número de incêndios por ano) de toda a União Europeia, apesar de a dimensão média de cada fogo ser bastante reduzida (<10 ha) . Em segundo lugar, esta região está localizada na região biogeográfica eurosiberiana, que em Portugal ocorre apenas no extremo norte do país. Deste modo, várias espécies da nossa fauna (e flora) ocorrem apenas nessa área geográfica.

As comunidades de aves são sensíveis à estrutura da paisagem, e o objectivo deste estudo foi avaliar até que ponto alterações da paisagem, o fogo, e a interacção entre estes 2 factores, poderão ter influenciado as populações de aves de uma região minhota nos últimos 40 anos. Mais especificamente, pretendeu-se (a) descrever as comunidades de aves associadas a cada um dos principais tipos de usos do solo actualmente existentes na região; (b) avaliar as implicações da ocorrência de fogos nestas comunidades; (c) estimar qual terá sido a evolução nas populações de aves nos últimos 40 anos, em função das alterações ocorridas na paisagem.

Comentários

Newsletter