Esquilos e Fogo Controlado - Em busca das pinhas roídas pelo Esquilo-vermelho

Ana Delgado, Centro de Ecologia Aplicada Prof. Baeta Neves-ISA
Imprimir
Texto A A A

O Esquilo-vermelho, que voltou a colonizar o Norte de Portugal a partir dos anos oitenta, ocorre em matas onde se implementa o fogo controlado como medida de gestão. Neste estudo avaliou-se o efeito desta medida nas suas populações.

Espécie com estatuto de conservação Raro, dada como extinta em Portugal desde o século XVI, o Esquilo-vermelho voltou a colonizar o Norte do País em 1980, a partir das populações do Norte de Espanha.

Actualmente, esta espécie é observada frequentemente nas florestas de Pinheiro-bravo do Minho, nomeadamente numa região onde o fogo controlado tem vindo a ser aplicado desde 1980. Esta região localiza-se no perímetro florestal Entre Vez e Coura, próximo de Paredes de Coura. Dada a abundância desta espécie nesta região, pretendeu-se avaliar qual o efeito do fogo controlado sobre a sua população. Este estudo foi elaborado no âmbito do Projecto "Efeito do fogo controlado nas populações de vertebrados terrestres" e ocorreu entre Maio de 1998 e Abril de 2000.


Tendo o Esquilo-vermelho uma dieta essencialmente vegetal, preferindo as sementes de coníferas, (que retira das pinhas recolhidas da árvore ou das pinhas caídas no solo), pretendemos estudar a actividade alimentar nas áreas ardidas a partir das pinhas roídas pelos esquilos encontradas no solo. Queríamos perceber se os esquilos tinham algum apetite particular por pinhas tostadas...


Para tal, foram caracterizadas parcelas que foram sujeitas a fogo controlado (que ocorreu nos meses de Dezembro e Janeiro de 1998/99). Paralelamente, foi utilizada a mesma metodologia em zonas-testemunha, com características de povoamento semelhantes mas não sujeitas ao fogo. Tanto as zonas sujeitas ao fogo controlado como as zonas testemunha, foram caracterizadas antes e após do fogo. Foram realizadas visitas mensais nas parcelas, em áreas rectangulares de 10 x 50m, para remoção e contabilização de pinhas roídas pelo esquilo. Em cada visita as pinhas roídas foram retiradas da parcela para não voltarem a ser contabilizadas nas visitas seguintes.

Comentários

Newsletter