Plantas perenes no jardim

Sara Otero
Imprimir
Texto A A A

Um jardim com plantas perenes pode oferecer cor e motivosde interesse ao longo de toda a estação de crescimento, através de uma combinação adequada de plantas na procura do efeito desejável.

 

As herbáceas perenes são plantas não lenhosas que podem viver durante três ou mais anos num determinado local. A parte aérea destas plantas geralmente morre todos os anos, mas as raízes, ou outras partes subterrâneas da planta, sobrevivem durante o Inverno. Assim, em geral na Primavera, o crescimento retoma e o ciclo recomeça.

Embora as perenes não necessitem de ser plantadas todos os anos como as anuais, precisam de certos cuidados. Deste modo, para se obter bons resultados, devemos fazer um plano inicial do jardim, de modo a obter a combinação de plantas mais aconselhável e desejada, uma preparação adequada do solo e uma manutenção ocasional. Se prestarmos atenção a estes detalhes, um jardim com plantas perenes pode oferecer cor e motivos de interesse ao longo de toda a estação de crescimento.


SELECÇÃO DO LOCAL

O local irá obviamente influenciar as espécies de plantas que poderão adaptar-se melhor. A maioria das perenes com flor prefere seis a oito horas de sol por dia, tornando a exposição a sudeste ideal. Áreas com sombra reduzem o número de espécies que poderão adaptar-se a esse local. Deve dar-se especial atenção à protecção contra o vento, particularmente quando existem no jardim plantas perenes altas. 
 
PLANEAMENTO

O planeamento de um jardim com plantas perenes é importante para assegurar uma floração contínua e uma combinação de cor, textura, alturas desejáveis, etc.. É preciso ter presente que a maioria das perenes têm um período limitado de floração e, portanto, a escolha das plantas deve ser feita de modo a que se obtenha uma sucessão de florações. Isso requer a selecção de plantas que tenham em termos colectivos períodos de floração que preencham toda a estação de crescimento.

O período de floração das diferentes espécies geralmente localiza-se entre a Primavera e início do Verão (por exemplo, Arum italicum, Bergenia cordifolia, Convallaria majalis, Armeria plantaginea, Baptisia australis), ao longo de toda a estação estival (por exemplo, Agapanthus, Campanula persicifolia, Ceutaurea macrocephal, Digitalis grandiflora, Gypsophila paniculata), ou entre o final do Verão e princípio do Outono (por exemplo, Anaphalis yedoensis, Acanthus mollis, Anemone hybrida, Gentiana asclepiadea, Lavatera olbia). Portanto, um jardim devidamente planeado deverá incluir plantas que floresçam nestas diferentes épocas, para ter sempre no jardim plantas com flor. As plantas perenes apresentaram um efeito mais bonito se plantadas em conjuntos de várias plantas.

 


PREPARAÇÃO DO SOLO

Este é provavelmente o aspecto mais importante na determinação do sucesso da plantação de plantas perenes. Uma aspecto fundamental é a existência de um solo com boa capacidade de drenagem, sendo particularmente importante o solo não se apresentar excessivamente húmido durante o período de dormência no Inverno. A incorporação de matéria orgânica ajuda a melhorar a drenagem do solo. Revolver a terra a uma profundidade de alguns centímetros também é importante. Todas estas tarefas deverão ser realizadas antes da plantação. A maioria das perenes cresce melhor com um pH entre 6,5 a 7,0. 
 
PLANTAÇÃO

As plantas perenes geralmente são plantadas na Primavera. A altura adequada para plantar depende do modo como as plantas foram produzidas. Assim, as plantas que se encontram envasadas poderão ser plantadas durante a estação de crescimento, embora seja preferível plantá-las na Primavera. As plantas envasadas que tenham estado expostas a temperaturas exteriores durante o Inverno, podem ser plantadas assim que se possa trabalhar o solo. As plantas produzidas em estufas durante o Inverno não devem ser plantadas antes de estarem a salvo de frios excessivos.


REGA

Embora a necessidade em água das plantas perenes varie consideravelmente de espécie para espécie, a maioria requer rega suplementar enquanto não se encontrar perfeitamente estabelecida. Assim que se encontrem estabelecidas, a maioria das espécies só necessitará de água em prolongados períodos de seca. A selecção das espécies adaptadas a climas mais secos ajudará a reduzir a necessidade de regas suplementares.

Uma rega excessiva pode prejudicar as plantas causando-lhes doenças e promovendo um sistema radicular superficial menos capaz de resistir a períodos secos. Assim, será aconselhável rega menos frequente, mais cuidadosa, aplicada directamente ao solo. 
 
FERTILIZAÇÃO

A fertilidade do solo pode ser melhorada antes da plantação com a incorporação de um fertilizante completo. Com uma apropriada preparação do solo e uma melhoria da fertilidade antes da plantação, a maioria das perenes requererá pouca fertilização adicional.


MANUTENÇÃO

Assim que estejam estabelecidas, a maioria das plantas apenas requer manutenção de rotina. As espécies que atingem maiores alturas necessitam de estacas, particularmente em zonas ventosas. Geralmente, não existem problemas de maior com insectos ou doenças, particularmente se as espécies tiverem sido bem seleccionadas para o local e tratadas convenientemente.

 


PROTECÇÃO NO INVERNO

Uma camada de matéria vegetal ajudará a prevenir rápidas flutuações da temperatura do solo, que poderão provocar danos no sistema radicular. Materiais como folhas de árvores ou relva cortada poderão compactar demasiado o solo em torno da planta, inibindo a drenagem da água e promovendo o desenvolvimento de doenças.

Em geral, dever-se-á aplicar esta camada de matéria vegetal antes do solo atingir temperaturas excessivamente baixas, usualmente no fim de Novembro. Assim que o crescimento começar na Primavera, deverá gradualmente retirar-se esta camada, geralmente no princípio de Março. 
 
PROPAGAÇÃO E TRANSPLANTAÇÃO

Um grande número de perenes pode multiplicar-se por semente, todavia, com muitas plantas será necessário aplicar o processo de divisão para se reter uma coloração desejável.

Portanto, a maioria das perenes pode ser dividida e, de facto, muitas precisam de uma divisão periódica para manter o vigor e o máximo de floração possível. Isto necessitará de ser feito anualmente com algumas plantas como os crisântemos, mas normalmente só é necessário efectuar de 3 em 3 anos, ou de 4 em 4. No entanto algumas plantas como a Gypsophila paniculata nunca devem ser divididas.

A altura do ano em que as plantas são divididas determina o sucesso deste procedimento.

Espécies que florescem entre o meio do Verão até ao Outono, deverão ser divididas no começo da Primavera, antes do início do crescimento. As perenes que florescem na Primavera ou no começo do Verão, devem ser divididas no Outono. No entanto, poderão existir algumas excepções.

Para dividir uma perene, primeiro remove-se a planta do solo escavando em redor e por baixo da planta, removendo-a cuidadosamente, de modo a evitar provocar danos nas raízes. De seguida deverá retirar-se o solo aderente às raízes com a mão ou com a ajuda de um fio de água. Divide-se a planta tendo o cuidado de cada divisão ficar com três a cinco gomos que produzirão novas plantas. Deve replantar-se as novas divisões o mais rapidamente possível.

Poderá trabalhar-se novamente o solo, se necessário, para melhorar o seu escoamento e estrutura. Deve fazer-se uma cova de adequadas dimensões, plantando estas divisões a uma profundidade que permita o desenvolvimento do sistema radicular futuro. Deverá regar-se adequadamente e proteger a planta do sol ou luz excessiva.

Aconselha-se a consulta de um guia de plantas perenes, que lhe facilitará a escolha das suas plantas preferidas, por estação de floração.

Comentários

Newsletter