Castanheira de Pera e o Encanto das Caminhadas

Joana Oliveira
Imprimir
Texto A A A

O bom tempo convida-nos a passeios por paisagens naturais, que nos proporcionem o contacto com sons, cheiros e imagens tantas vezes esquecidos. Por isso lhe propomos uma viagem ao passado e ao presente, em terras da Serra da Lousã.

Como que saída de um conto de fadas, a bucólica vila de Castanheira de Pera surge-nos por entre as encostas da Serra da Lousã. O caminho que se percorre até lá chegar já não é o sinuoso de curvas e contra curvas apertadas; agora o IC8 levou as curvas que durante tanto tempo impediram as gentes de se aventurarem por outras paragens, e essas mesmas gentes desejam agora partir para longe da terra que durante tanto tempo as isolou do mundo.

Castanheira de Pera foi terra de indústria. Os ventos da Revolução Industrial despertaram o pioneirismo que levou os castanheirenses a transformar as águas das ribeiras em força motriz, dinamizadora da indústria de lanifícios, em tempos considerada a terceira maior do país. Agora resta o silêncio e as ruínas das fábricas que se amontoam ao longo das ribeiras.

A natureza vai encontrando pouco a pouco o seu equilíbrio perturbado pelos constantes rios de tinta que foram despejados nas suas ribeiras, ou os pedaços de tecidos que iam ficando presos às árvores ribeirinhas como fantasmas. Já não há mais o bulício dos trabalhadores, nem das sirenes das fábricas, nem de camiões, nem de nada. A natureza regressa de novo a sua casa.

É de novo a Serra da Lousã que abraça por vales e montes todo o concelho. Para aqueles que não conhecem é talvez difícil acreditar que em tão pouco espaço exista uma tal diversidade de cenários naturais. Os cabeços forrados a urze multicolor, matéria prima para o Mel da Serra da Lousã, escondem recantos onde se ouve o tilintar das águas que percorrem, saltitantes, as escarpas graníticas e xistosas, ladeadas por bosques de carvalhos, castanheiros, abetos, ciprestes e tantas outras pinceladas de tons que dão o mote para o nosso passeio.

Também é curioso notar que, não sendo esta área uma zona protegida, as suas riquezas naturais têm estado protegidas dos incautos, e permanecem ali belas e inexploradas.

Comentários

Newsletter